Eleições na Internet: quais as regras?

A Internet pode ser decisiva para alguns políticos. Pela primeira vez veremos as redes sociais e as páginas como um dos alvos dos políticos para suas campanhas. Mas há regras. Afinal, o que pode e o que não pode nessa briga?

Amigos mochileiros, estamos perto de começar pra valer toda corrida pelos cargos públicos. As Eleições 2012, que vão eleger prefeitos e vereadores promete bastante. Não pelos diversos políticos, pela competição, mas sim pela força das redes sociais, que agora estão em jogo.

Será a primeira de fato em que social media e Internet poderão ter peso decisivo na influência de um eleitor. Será a primeira vez que veremos como nossos profissionais da área vão se virar para criar ações e campanhas pensando nos políticos.

Veremos também o desempenho dos próprios candidatos. Será que eles mesmos vão comandar seus perfis? Quem vai cometer gafe? Quem não vai obedecer as regras? Quais são os que realmente ganharão pontos com o uso de social media na campanha?

Milhares de perguntas, muitas sem resposta. Não dá pra citar muitos cases, não é possível prever algo que ainda não foi testado em massa.

Mas o governo brasileiro já foi rápido e lançou algumas regras de como o político deve se portar na Internet. Afinal, o que pode e o que não pode nessa correria virtual por um voto? Separamos para vocês os pontos para esclarecimento:

PODE

A propaganda na Internet está liberada, assim como na TV, rádio e jornal. Será possível fazer propaganda em sites do partido, do próprio político, além das redes sociais e até em blogs.

Os políticos também poderão enviar e-mail para os possíveis eleitores. No entanto, o envio em massa (Spam) é considerado proibido pelo Tribunal Superior Eleitoral (resolução 23.370/2011). Resta saber como será o controle disso por parte das autoridades.

Será possível, ainda, reproduzir online todas as propagandas feitas em TV, rádio e jornal.

NÃO PODE

Qualquer tipo de propaganda paga na Internet é considerada infração da lei do TSE. Partindo dessa regra, fica bem curioso entender como políticos e assessores conseguirão postagens em blogs e sites de referência.

Entra aí uma discussão interessante: como será que os donos de páginas vão agir? Será que vão assumir seus partidos e candidatos? Aceitar veicular uma propaganda vai “queimar o filme” do blogueiro?

São outras questões que ainda não podemos responder. Mas aguardaremos os próximos meses. Se você tem alguma ideia de como tudo isso vai funcionar, deixe aí nos comentários!

Deixe uma Resposta

  • (não será publicado)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

© 2017 Mochileiro Digital.

Compartilhe: