Crítica do filme: Superman – O Homem de Aço

Filme dá uma nova vida ao personagem mais icônico dos quadrinhos! Prepare-se para ver a Terra tremer com muitos socos e explosões.

Caros amantes do cinema, a equipe do Mochileiro Digital teve a oportunidade de assistir em Los Angeles a estréia do novo filme do Superman – Homem de Aço!

Homem de Aço - Filme chega para mudar os rumos do herói no cinema

Homem de Aço – Filme chega para mudar os rumos do herói no cinema

Homem de Aço é bom?

Sendo simples e direto a resposta é: Sim! O novo Superman é muito bom e empolgante. Com certeza os fãs do herói mais famoso dos quadrinhos, vão ver um filme à altura do personagem.

Confesso que antes de entrar no cinema estava um pouco traumatizado com o que Christopher Nolan havia feito em seu último trabalho com o Batman. Mas o filme não deixou a desejar e quando saí da sala fiquei pensando que foi a primeira vez que desejei que os quadrinhos se inspirassem na versão apresentada na telona e não o inverso.

Algo inteligente que o diretor fez foi se distanciar de tudo o que foi realizado anteriormente. Nem mesmo o clássico tema composto por John Williams foi utilizado. O diretor não queria que ninguém pensasse que este era uma continuação do péssimo Superman Returns. Para terem uma idéia, até mesmo o título “Superman” foi colocado de lado, ficando apenas: “O Homem de Aço”.

História de Origem

Algo que torna este reboot muito interessante logo de cara é o fato de que Zack Snyder conta a história do personagem (mais do que conhecida), sem criar o famoso “filme de origem”, como aconteceu no último reboot de Homem Aranha de Marc Webb. Na história do teioso, gastamos boa parte da história repassando a morte do tio Ben e a aquisição dos poderes por Peter. Ou seja, mais de 40% do filme não traz novidades.

Já no Homem de Aço, o diretor utiliza de um recurso muito comum a séries de sucesso, como Lost, onde temos a história se desenrolando em tempos atuais sendo entrecortada por flashbacks do passado. O resultado é muito mais ágil e dinâmico, tirando o aspecto previsível do filme ao recontar fatos já conhecidos da mitologia do herói.

Outro aspecto interessante dessa decisão do autor é que vemos neste filme uma fase intermediária entre a infância-juventude do personagem e a criação de seu alter-ego Clark Kent. Kal-El é um errante, em busca de auto-conhecimento. Alguém que quer entender suas origens e lugar no mundo.

Henry Cavill, convence como Super-Homem

Henry Cavill como o Homem de Aço

Henry Cavill como o Homem de Aço

O ator Henry Cavill faz um ótimo trabalho e traz algo novo para o personagem. Mostra alguém que mesmo possuindo todos os valores característicos do herói, ainda assim possui seus conflitos internos. Isso humaniza o ícone e o aproxima do público.

Outra coisa que chama a atenção é o porte físico do ator. Acredito que é a primeira vez que vemos alguém com os músculos dos quadrinhos. Quando Henry apareceu sem camisa, um dos membros do time lançou a questão: “isso foi feito em computador?” A resposta é não! Zack Snyder realmente queria que seu Super-Homem se aproximasse das HQs e para isso fez o ator dobrar de tamanho para as gravações.

Outro ponto que merece destaque é o traje! Finalmente vemos a cueca vermelha ser totalmente abolida. A roupa ganhou texturas e outros detalhes, aproximando-se mais de um material “alienígena”. O aspecto mais sujo e desgastado, também deixa o herói menos “engomadinho” e dá um ar mais moderno. Com certeza os fãs irão adorar o resultado.

Elenco competente

Se Henry Cavill manda bem, o restante do elenco não fica atrás. Michael Shannon faz um excelente general Zod, que diferente da versão da década de 80, é um ser endurecido pelo dever e pela obsessão de defender Krypton a todo custo.

O pai de Kal-El, vivido por Russel Crowe tem uma atuação de destaque no filme e chega até mesmo a distribuir algumas boas porradas para defender o filho e a família. Jor-El tem uma participação realmente importante no filme.

Se o elenco é bom, por outro lado, o relacionamento Clark e Lois, pareceu muito superficial. Apesar do ótimo trabalho da atriz que encarna a personagem, o relacionamento dos dois é trabalhado às pressas. Parece até que o diretor, ou os roteiristas, incluíram o romance para cumprir tabela. Mas, sem entregar spoilers, adianto que pela maneira com que o filme acabou, o relacionamento entre ambos deve ser mais explorado numa seqüência.

Ação, pancadaria e destruição em massa

Um ponto que agradará a muitos fãs e vem desagradando tantos outros (inclusive criadores de HQs do mercado americano), é a pancadaria em escala colossal! Alguns vem se questionando se toda a destruição que Superman e o General Zod causam é condizente com um heróis que acima de tudo busca proteger as pessoas.

O diretor, Zack Snyder dá uma razão para isso: “Quando os deuses lutam as coisas são destruídas no caminho”. Eu concordo e acho que nem poderíamos esperar menos de alguém que fez 300 e Sucker Punch! Se você gosta de lutas e ação, vai adorar o resultado.

Particularmente acredito que filmes de heróis não devem ser levados tão a sério. Quando vou assistir algo do gênero, quero simplesmente me divertir e ver muita ação e isso o filme entrega com maestria. Neste quesito, O Homem de Aço não deve em nada para nenhuma batalha épica dos gibis.

Personagem deve ter vida longa nas telonas

Personagem deve ter vida longa nas telonas

Nota do – 5 de 5 Mochilas!

Galera, o filme está super recomendado! O trabalho do time David Goyer (roteirista de Batman), Nolan e Zack Snyder manda muito bem e abre espaço para uma nova franquia de sucesso no cinema.

Datas de pré-estréia e estréia

O filme terá pré-estréia no Brasil nas datas:  28 a 30 de junho e de 5 a 7 de julho em cópias 3D. O filme entra oficialmente em cartaz no dia 12 de Julho.

7 Comentários

  1. João

    Parabéns pela analise do filme. Isto porque hoje em dia não sei bem as razões porque certos críticos avaliam os filmes como se se tratasse do orçamento de estado, ou se fosse alguma coisa terrível acontecer com as medidas …de alguns realizadores.

    Ou se gosta ou não.. mas isso é pessoal. O cinema é assim.

    Bastou ver 1minuto do primeiro trailer para perceber que este filme respira Nolan/Goyer e por isso passei a ser fan do super homem tal como Batman. Porque aprecio a maneira como são contadas as historias. Na década de 80 as coisas funcionaram para a altura e em 2006 não me convenceu… Quem não gostar desta nova versão pode voltar a ver essa “obra prima” de 2006 ou visionar o conceito Marvel onde não faltam super herois.

    Responder
  2. Evandro

    Até que enfim uma crítica coerente!!! Até agora só tinha lido um monte de besteiras de “críticos” que foram assistir “Man of Steel”, querendo ver “E o vento levou”. Ótima crítica, parabéns!

    Responder
  3. Pedro

    Só não concordei em dizer que Nolan não foi bem em Batman, no meu ponto de vista foi muito bom nesse filme. O Batman subiu muito em relação aos filmes antigos.

    Responder
  4. Daniel

    Parei de ler em “Confesso que antes de entrar no cinema estava um pouco traumatizado com o que Christopher Nolan havia feito em seu último trabalho com o Batman”.
    Respeite Christopher Nolan.

    Responder
    • Ubiratan Cunha

      Não acho que Nolan foi mal em toda a franquia, apenas no terceiro filme (Rises). E o fato de eu não ter gostado, não significa que estou faltando com respeito.

      Responder

Deixe uma Resposta

  • (não será publicado)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

© 2017 Mochileiro Digital.

Compartilhe: